CRÔNICAS, CONTOS, TEXTOS, POEMAS E POESIAS

Eclipse Solstício Presságio Ruim

Minha Amável Lua Amante
Hoje em meu ápice momento de máxima intensidade
Neste eterno ciclo em que me entrego iluminando à Terra em plena caridade
Fertilizando os vegetais e a realização dos desejos mundanos
Em que sou venerado com danças, cortejos e rituais dos seres humanos
Ocultamente vieste repleta de Amor a me contemplar… (clique aqui para continuar)

Labirinto étnico-racial de si

Diante das variadas questões raciais e exaltação do antifascismo, que nada mais era do que a divulgação, ignorantemente, involuntária no coletivo social de um pensamento e filosofia fascista (regime político-filosófico italiano estabelecido nas primeiras décadas do século XX por Benito Mussolini, fazendo prevalecer o conceito da superioridade de uma raça e seu sistema de governo ditador e autocrático), que se apresentavam naqueles sombrios e acinzentados dias pandêmicos. Resolvera adentrar em si mesmo, na resolução da síntese de sua própria persona etnicamente mal identificada e incompreendida. E, se buscando em cansativas e exaustivas análises na cosmologia da raça humana e nas muitas referências lhes apresentadas em estudos acadêmicos… filosóficos… podcasts, posts e lives… discursos escritos e audiovisuais nas redes sociais e internet…, contudo, não se encontrara. Percebeu-se no mundo dos humanos… um ser alienígena... (clique aqui para continuar)

A Bruxa da Arruda e o Sagrado de Tudo

A manhã estava carinhosamente refrescante em um dia de verão calmo, que precedia o calor do seco e ensolarado tempo impermanente. Acordou às cinco horas da manhã como de costume, e já não tinha mais a necessidade do despertador do seu smartphone para tal feito. Simplesmente os olhos automaticamente em uma só expressão se abriram, o corpo em um só impulso na cama se sentou, e mergulhado nos seus pensamentos do que fazer com o novo dia de quarentena que auto se apresentava, meditava… claro! Aqueles dias eram por demais incomuns, de um lado tinha o dia todo pela frente sem a rotina acinzentada do levantar, correr e trabalhar, e, por outro lado, teria que ser criativo ao esforço máximo, em táticas incomuns e altruístas para não deixar que o tédio com toda sua improdutividade o arrebatasse, sequestrando a sua proposital impulsionada momentânea e intencionada alegria… (clique aqui para continuar)

Solitário Amor Lunar

Querida Amada! Lua de mim encarnada!
Por este breve-longo tempo em que de mim te ocultaste
E encobriste de véu negro a tua bela face
Estou agora radiosamente pleno
Banhado em teu carinhoso sereno
Contemplando o seu estado luminoso, que se faz de novo, em fino arco
No que me condeno ser o seu solitário amado
De ciclos em ciclos permanentes a te esperar… (clique aqui para continuar)

Lua Escura

Querida minha
Hoje passeio em devaneios pela noite escura a sua procura
Hoje não me contemplaste com tua bela face iluminada, e triste caminho por essa trilha incerta do existir sem ti… (clique aqui para continuar)

Lua de Meu Existir

Minha Amada que fertiliza o meu existir… (clique aqui para continuar)

PhysikaMystiKa

Cansado da procura infinita do fora de si, ao estudar os muitos processos intermediários e primários do existir, em que se entregara a resolução de conflitos dualísticos do corpo-mente, espírito-matéria pelas muitas filosofias mesopotâmicas e posteriormente egípcias, gregas, hindus, hebraicas, árabes, ameríndias, yorubas e congolesas… absorveu o problema da existência mundana e consciência divina sobre outra pressuposição, e se perguntara em pensamentos avassaladores onde estariam os segredos superiores, senão dentro de si mesmo, em seu próprio corpo, psique e coração… resumindo… a vida do aqui e agora, o momento presente, o falar, o respirar, o agir, o sentir… enfim, o viver e depois morrer… a própria existência com todas as suas dores e alegrias, ilusões e fantasias… o bailar constante do bem e mal em si que o movimentava… (clique aqui para continuar)

Arruda Sagrada

Como de costume no final de tarde estava a trabalhar no seu pequeno jardim, em especial, no canteiro de ervas que fizera ao fundo do quintal de sua casa, nas proximidades de uma cerca feita de pequenas varas de bambu chinês. Esse pequenino canteiro horizontal, confeccionado por pequenas pedras de calcários brancos enfileirados, era um dos pontos mágicos e sagrados do seu jardinzinho orgânico. Ali encontravam-se plantadas, uma após outra, plantas de poder e de cura, medicina para o espírito, para a alma (psique ou coração) e para o corpo, como: Capim Santo (Elionurus candidus), Erva Luíza (Aloysia citrodora), Erva Cidreira ou Melissa (Melissa officinalis), Sálvia (Salvia officinalis), Babosa (Aloe Vera), Manjerona (Origanum majorana) e duas espécies de lavanda ou alfazema (Lavandula angustifólia e Lavandula pedunculata)... (clique aqui para continuar)

A tríade do mau em si

Decidiu ir muito mais além do que se possa imaginar em sua estadia no plano físico-orgânico e tridimensional. Resolveu descortinar-se, despindo do manto de ignorância da sua própria persona programada, alienada e fragmentada. Parou de culpar o mundo… as pessoas… as coisas… tudo! Vira a culpa em si mesmo, e se vendo em sua dramática lastima percebeu-se sabotador de si mesmo, porquanto, ainda não se conhecia… (clique aqui para continuar)

La Luna em Beleza e Graça

Há uma beleza audível e invisível que imerge no íntimo dos puros de coração… (clique aqui para continuar)

Simples assim

Atenciosamente consciente, pleno de si no aqui e paciente consigo mesmo no agora, depois de abandonar a morada do automatismo dos falsos, e inúmeros, ‘eus’ do psicológico imposto em disfunções, que o prendia a má sorte, e toda a cadeia de desejos ilusórios que se arraigaram a sua persona frágil, dualística e fragmentada, involucrada nas camadas da má educação social em traumas, ignorâncias e tormentas de pressões socioeconômicas, e, cultura provinciana pós colonial escravagista afro-ameríndia urbana… (clique aqui para continuar)

As Três Maravilhas

Os dias passaram o arrastando por trombadas de sentimentos incontroláveis. Pensava ele estar acima das suas emoções, porém, por pensar estar acima, tirara a mão do mastro, e fora arrastado pelas tempestades sentimentais. Forças destrutivas o empurraram novamente a lama, e se sentira energeticamente imundo. Abrira a porta escrotamente para o mal de si, e violara a regra de sua santidade e perfeição. O mal o rondara, e, percebera-se insano... (clique aqui para continuar)

Estranho eu

Hoje me 'sentir' estranho
Um estranho para mim mesmo
Nervoso e tenso, passei o dia berrando e gritando
Falei coisas feias para os meus amados
Me 'sentir' furioso… e ressentindo me desculpei... (clique aqui para continuar)

Águas que balançam

Cada dia que passa morre em mim uma paixão

Passo cegamente nos dias que se vão

Onde está o dia bom, senão, no passado

Pois, os dias que agora passo me atropelam de cansaço

(clique aqui para continuar)

Mecanicidade Metódica de Si Mesmo

Voltara-se para dentro de si como nunca, antes, já vivenciado… se viu completamente protegido da ventania de egos que soprava contra sua casa forte. Resolveu olhar para si mesmo com os olhos da Graça, e, se viu com os olhos Divinos, quando, de repente, abriu em sua mente um panorama existencial de sua trajetória cósmica unilateral, e sem partidos. Se vira nu… nu de alma, embora o seu corpo estivesse vestido… (clique aqui para continuar)

Visão UM

Espiritualmente abalado por preocupações mundanas, tentou relembrar dos velhos e doces momentos de sua inocente adolescência. Não sabia como tudo veio a estar assim, tão frio e cinzento. Naqueles instantes de vida, tudo perderá a cor. Tempos de monotonia entediante. Vivia em constante espera… (clique aqui para continuar)

A GRANDE FACE e a pequena face

— Você, que vai muito além do que se imagina, não dê espaço para a culpa e o medo que insistem em habitar em sua morada. — Disse a voz que saía do poço... (clique aqui para continuar)

O Grande Confronto

Há um certo momento da vida, que não podemos fugir ao dia do grande confronto. Sendo, esse, o dia do confronto final! O Apocalipse interno, dentro de cada um de nós. Assim vejo que o fim do mundo é o momento em que temos de dar um basta ao medo dentro de nós mesmos. Algo em nós que não presta mais… (clique aqui para continuar)

O Medo Apavorante da Mula sem Cabeça

Disparada, intencionalmente pelos ‘GRANDES, e podres, PODERES’, por uma resposta a uma ansiedade fisiológica em massa nacional. Em uma reação social, descomunal, obtida por estímulos de crenças e imaginações interpretadas como um alerta de reações físicas e mentais, facilmente observáveis pelos corpos orgânicos em ênfase de pavor. Temendo antecipadamente ir de encontro contra o ‘mal imposto’, e pregado pela GRANDE MÍDIA, que comprometia as diversas relações sociais e familiares, na causa dos muitos enganos, até as exageradas causas de fobia e pavor que gerava desconforto, entre mínimas ansiedades a grandes sofrimentos psicológicos. Que as tensões sociais, políticas e militares voltaram à tona em meados da década de 1950... (clique aqui para continuar)

‘EU’, ‘ELES’ e ‘NÓS’

Sabíamos que estávamos sendo vigiados por ‘ELES’. Muitos relatos de abduções, fotografias e filmagens de suas naves e tecnologias não paravam de ser publicados nas redes sociais. Porém, por esforços dos governos mundiais que negavam e ocultavam os fatos, e também, por uma certa mescla de realidade e fantasia nos filmes e seriados hollywoodianos, e, provedoras globais de fluxos de mídias via streaming, além da ignorância que era pregada nas diversas religiões de sermos o centro do universo, ignoramos os sinais por ‘ELES’ transmitidos... (clique aqui para continuar)

Inúmeros ‘eus’ demônios de mim

Sentia-se cansado depois de um longo dia de trabalho árduo. Tirou seus sapatos, e como de praxe, pendurou-os pelos cadarços em um extintor de incêndio que se encontrava na entrada do acampamento. Fazia isso, todos os dias, para que os insetos nocivos como aranhas e escorpiões não fossem ter seus calçados como abrigo. Tirou suas roupas de trabalho, que mais pareciam como fardas de soldado, e pendurou-as em um barbante que estava esticado ao lado das paredes feitas de pequenas varas de bambu... (clique aqui para continuar)

Mística Realidade Intelectualmente Ofuscada

Encontrava-se no assoalho de madeira no sótão da sua casa destemidamente radiante, ouvia os respigares da chuva forte, sobre as finas placas de metais brancas preenchidas de isopor, que substituiu as antigas avermelhadas telhas de cerâmica, em que seu isolante termoacústico não conseguia conter os muitos estalares das gotículas de águas celestinas. Percebia-se confortavelmente protegido do molhado e úmido escuro frio externo... (clique aqui para continuar)

Inerte Solitário Despertar

Aquele que acordou… percebeu a solitária gota cristalina, na teia do sonho escorrendo no fio da ilusão, enodada em seus anseios ao percorrer o sutil trajeto... (clique aqui para continuar)

Contos Griot: Os nossos Primeiros Pais e as Nossas Primeiras Mães

Ali, sentado numa grande pedra com o seu M’bolumbumba na mão direita, segurando como se fosse um cajado. E seu cachimbo na mão esquerda, levando-o sempre à boca, em que dava várias pitadas... (clique aqui para continuar)

Vozes Silenciosas

Existem muitas vozes silenciosas
Vozes que só se pode escutar com o coração
Vozes inaudíveis
Vozes sensíveis
Que na cana com o passeio do vento se faz canção... (clique aqui para continuar)

A união do complexo medo atraente

Penetrara no karma atual da moderna sociedade virtual em que nasceu, cresceu e ainda vive, mergulhado numa atmosfera de medos e complexos que lhe foi imposto por uma sociedade de valores hipócritas e sentimentos ilusórios.... (clique aqui para continuar)

Experiência Divina (Meu filho Lavi)

Chamo minha experiência de pai, a experiência de Deus. Pude perceber muitas coisas da vida e de mim mesmo vendo o crescimento e desenvolvimento do meu filhinho Lavi... (clique aqui para continuar)

Crônicas do Parque: Rápido Demais

Já fazia cinco solitários anos em que se encontrava separado e divorciado. Se mantinha firme em sua promessa de não mais se envolver e se entregar a um relacionamento amoroso... (clique aqui para continuar)

Crônicas do Parque: A verdade está onde nunca a procuramos

Era uma daquelas manhãs escaldantes com temperaturas que variavam de trinta e cinco a trinta e oito graus célsius, com sensação de quarenta a quarenta cinco no centro-norte de Israel... (clique aqui para continuar)

Crônicas do Parque: O pombo preso no galinheiro

Notara-se perdido no ponto atual de sua vida. Não soube ao certo como tudo lhe escapou. De repente, no parque de Kfar Saba, se viu em um lugar onde nunca quisera estar...  (clique aqui para continuar)

Crônicas do Parque: De Yom Rishon (domingo) a Yom Hamishi (quinta-feira)

Acordou exausto às quatro horas da manhã com o toque de uma suave música de flauta chinesa, em que configurara no aplicativo despertador do seu smartphone...  (clique aqui para continuar)

Crônicas do Parque: Imperceptibilidade de uma Grande Alma

Em uma dessas manhãs de Yom Sheni (segunda-feira), em que se encontrava solitário sentado em um dos bancos no Parque de Kfar Saba, com a cabeça cabisbaixa apoiada em seus punhos... (clique aqui para continuar)

Contos Griots: A Criação Yoruba

No princípio existia um lugar… em que nada do que existe hoje havia e existia.... (clique aqui para continuar)

Sagrada Magia Mística

Sentou-se no sobrado do primeiro andar com uma bela vista dos montes de pedra esverdeados, cobertos de pinheiros, sálvias, alecrins, lavanda, mostardas, pequenos arbustos de amoras selvagens, entre outras ervas espinhosas e graminosas, que adornava a parte oeste da Galileia... (clique aqui para continuar)

O Opositor de Si Mesmo

Aqueles dias foram os mais estranhos de toda a sua trajetória nos anos em que já vivera, dias sombrios e cinzentos, parados em uma calmaria de silêncio profundo e agonizante. Momentos em que a emoção e o sentimento esfriaram, não sentia nada… (clique aqui para continuar)

VIVER O QUÊ? VIVER DE QUÊ? VIVER PORQUÊ?

O mundo é tão complicado
As pessoas são tão confusas
Felicidade!
Todos buscam, todos buscam… (clique aqui para continuar)

VIDA DE PRETO

O passado do meu povo é triste
O passado do meu povo não passa
O passado do meu povo se firma
O quilombo não é mais nas matas
… (clique aqui para continuar)

UM MITO

Mulher
De onde vem tanta beleza encantadora
Que fascina e seduz homens e deuses
Mortais e imortais… (clique aqui para continuar)

TRISTE EXISTÊNCIA

Sentada na beira da estrada
A menina tristemente começa a pensar
Pensa na vida que leva
Na cruz que carrega
Na monotonia daquele lugar… (clique aqui para continuar)

TOMANDO CAFÉ

Possa eu filosofar e falar das coisas da vida
Das coisas que julgo ser importante
Do simples ato de escrever levando a boca um gole de café
E pensar em ser feliz
Ao lado de uma doce, meiga e fiel companheira...
 (clique aqui para continuar)

É muito bom estar no meio de tudo
E, ao mesmo tempo, ser um observador
Ao mesmo tempo, é estar no meio
Ao mesmo tempo, é estar só... (clique aqui para continuar)

SIMPLESMENTE RECORDAÇÕES

Meu Amor
Lembro-me da primeira vez em que te vi
Colhendo flores no jardim
Cantavas uma melodia muito triste
Revelando melancolias e saudades
Como as endechas de um canário solitário... (clique aqui para continuar)

SEMENTE DE ALEGRIA

Carreguei em mim uma semente
Não de planta mais de gente
Que tão logo veio nascer... (clique aqui para continuar)

Satori de Ilusão

Que milagres há no templo de carne
O que é preciso para pôr fim ao mal
Quais mistérios possuem o segredo do povir... (clique aqui para continuar)

SANIDADE DE UM MENDIGO

Quando me olham dizem:

_Ele é louco!
Louco por viver em trapos
Louco por não ter abrigo
Louco por não usar sapatos... (clique aqui para continuar)

QUILOMBO MODERNO

Quilombo… favela… favela… quilombo
O quilombo? A favela!
O quilombo é a favela?
A favela é o quilombo?... (clique aqui para continuar)

POEMAS, POETAS, POESIAS

Vozes, vozes, vozes…
Há mil, milhares de vozes
Querendo muito dizer, sem nada entender... (clique aqui para continuar)

PEQUENOS DETALHES

Quando chega o final de tarde
Prendo minha atenção em direção ao Quartel de Amaralina
E me pego a reparar
Nos solitários coqueiros de vista para o mar
Uma paisagem ofuscada pelo pôr do Sol
Contemplo aquela cena como a mais bela visão do paraíso... (clique aqui para continuar)

PAZ DE ESPÍRITO

Que a paz habite em meu ser
Que nada possa abalá-la ou perturbá-la
Que eu possa me mover em perfeita harmonia com o universo
... (clique aqui para continuar)

IMPERMANÊNCIA

O firmamento ainda reina sobre minha cabeça
O solo ainda é firme sob os meus pés
O sol matinal ainda vem me aquecer
Os pássaros ainda cantam louvando o dia
Ainda sinto o cheiro do orvalho da manhã... (clique aqui para continuar)

O BEIJO

Desejei
Esperei
Estava abafado!
Queria fazer acontecer... (clique aqui para continuar)

NÃO ME LEMBRO, NEM LEMBRO-ME

Não me lembro de um Amor
Nem lembro-me da juventude
Não me lembro do passado
Nem lembro-me de ser amado... (clique aqui para continuar)

NADA

Nunca espere demais
Nunca espere demais do dia
Depois do dia vem a noite
Nunca espere demais da noite
Depois da noite vem o dia... (clique aqui para continuar)

NADA É CONCRETO

A vida passa, sinto que passa
A vida vai passando…
Mas, acredito que a vida não passará... (clique aqui para continuar)

MUNTU CAIKIPE CHIÁ UCUEZA CUNHIMA

Ainda sinto os chicotes no meu corpo
Os gritos apavorados do meu povo
O eco das chibatadas ouço ainda no pelourinho
O sofrimento e o lamento do meu povo no moinho... (clique aqui para continuar)

DANÇAR

Na vida não há do que reclamar
E sim, vivenciar... (clique aqui para continuar)

EU SOU POETA

Eu sinto à terra
Porque sou poeta
Eu sinto o vento
Porque sou poeta
Eu ouço os pássaros
Porque sou poeta
Eu vivo a vida
É só o que me resta... (clique aqui para continuar)

ETERNO APRENDIZ

Sigo minha vida na compreensão de estar eterno
Num estar meio que solitário
Vagando por entre os tempos... (clique aqui para continuar)

ESCALADA

Onde o belo se encontra?

Lá onde ninguém conta
Lá onde não se procura
O belo para o feio se torna a cura
Cura de um passado sofrido
De um livro esquecido
De um povo oprimido... (clique aqui para continuar)

EQUILÍBRIO DO ALÉM

Sinto o peso dos dias
As dificuldades do viver
A labuta do dia a dia
A necessidade de vencer... (clique aqui para continuar)

SINCRETISMO E SINCRONICIDADE

Sim, eu acredito!
Eu acredito e não mistifique
Eu acredito e não burocratize
Sim, eu acredito!... (clique aqui para continuar)

EIS A QUESTÃO

Ser humano
Ser sexual
Ser social
Ser pensante
Ser político
Ser dominante
... (clique aqui para continuar)

CORAÇÃO DE POETA

Meu coração quer recitar
Palavras que nunca foram ditas
Meu coração quer cantar
Canções que nunca foram ouvidas
Meu coração quer falar
Frases que até então foram esquecidas
Meu coração quer estar
Estar de bem com a vida... (clique aqui para continuar)

Carne Vale (Carnaval)

Carnaval
Festa onde a carne vale
Onde as ruas e avenidas se transformam num grande baile
Baile de fantasias e “fantasias”
Onde a musicalidade impera em meio a prazeres e orgias... (clique aqui para continuar)

AUTO ANÁLISE

Paciência e fé
Prezo para vencer as dificuldades... (clique aqui para continuar)

QUE ASSIM SEJA

Que brotem as flores
Que venha a primavera... (clique aqui para continuar)

ARQUITETO

Os amigos
As amizades
São sinônimos de camaradagens... (clique aqui para continuar)

AQUELE BEIJO

Pude sentir teus lábios
Ainda que só por um simples momento
Secretamente só o tinha sentido
Apenas, no delírio dos meus pensamentos... (clique aqui para continuar)

Admirador Secreto

Deixe eu ser teu poeta Minha Poesia
E poder te escrever em segredo
E dizer o que sinto sem ter medo
Medo de que minhas palavras sejam rejeitadas
Sejam motivos de risos ou mal interpretadas... (clique aqui para continuar)

Belos Mistérios

Onde me manifesto… sou como o entardecer, onde o vento passa ao silêncio da morte e as árvores vibram ao ver passar. Se não me manifesto… no nada tudo serei, e assim, serei como o alvorecer, onde os pássaros cantam ao som da noite que se fez dia e do sol que se fez presente, desvirginando o horizonte de um mar inocente, tal qual um beijo ardente da terra numa semente, em que algo vem a germinar. Algo que habita e surge… sem dogmas e sem preceitos… algo dentro e fora do seio da mãe que ainda não veio. Há de haver belos mistérios… (clique aqui para continuar)

Roda da Evolução

O homem de movimento
Escuta seu coração
E que faz parar o tempo
No momento da ação
E caminha pelo mundo
Sem linha, nem direção
Caminhando o mundo gira
Na roda da evolução... (clique aqui para continuar)

Lastro

Sentado no lastro do lado do lago
Me vejo subindo, pulando caindo
Em um sentimento de um momento que embora esquecido
Emergiu da visão de algo esquisito.... (clique aqui para continuar)

Quando um lugar não te valoriza. Te limita. Saia dele imediatamente. Descarte-o para não ser descartado.

Jp Santsil

Tão loucos por suas pequenas grandezas,
esquecendo que a gentileza e a simplicidade
é a base perfeita que sustenta todas as coisas.

Jp Santsil

Você pode fugir de todos
Mentir para todos
Porém, no fim, para onde for, carregará a si mesmo
Se não encontrar Paz aqui
A Guerra te esperará lá.

Jp Santsil

Como um silencioso ouvinte
pode falar na terra dos surdos falantes?

Jp Santsil

A ignorância de muitos... sustenta o sucesso e o prestígio social, econômico, filosófico, artístico, religioso e político de poucos.

Jp Santsil

A política partidária é como  um cesto de maçã envenenada, a pura que entrar apodrece na parada.

Jp Santsil

Se Deus me desse o seu PODER, com toda razão eu mudaria o mundo. Mas, como ele me concebeu sua SABEDORIA, pela mística do bom senso, prefiro deixar tudo como, assim, está.

Jp Santsil

A Pacha Mama é aquela bela velha bruxa senhora, que hoje na vida te alimenta, e amanhã na morte te devora.

Jp Santsil

Há de se construir sempre bons sonhos, pois o pesadelo em que vivemos é real.

Jp Santsil

Versos de uma menina

Em seus versos
Vejo sua alma refletida
E, como és linda!
Não só de corpo
Mas, também, em palavra
Não só o físico
Porém, também, a alma… (clique aqui para continuar)

Presença

Sou mais
Do muito mais
Do que imaginais… (clique aqui para continuar)